Toda Mídia
Toda Mídia
 

Uma história de piratas

O blog volta no domingo. A coluna, na segunda.

Escrito por Nelson de Sá às 23h36

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Desemprego no país, arrastão em São Paulo

Escalada de manchetes do "Jornal Nacional":

   O devedor virou credor. O Brasil vai emprestar dinheiro ao Fundo Monetário Internacional.
   A indústria tem a segunda queda mensal seguida no nível de emprego.
   O mercado se assusta com a troca de comando e as ações do Banco do Brasil caem pelo segundo dia seguido.
   Novos tremores atingem a região já devastada por um terremoto na Itália.
   Um brasileiro da legião estrangeira é acusado pelo ministério de defesa francês de quatro assassinatos no Chade.
   Na série especial sobre a Amazônia, a busca do equilíbrio entre os negócios e a preservação ambiental.
   No Pará, um dos acusados de encomendar a morte de Dorothy Stang volta para a cadeia.
   O boliviano Evo Morales anuncia greve de fome.
   No futebol, o brasileiro que foi chamado de imperador diz que vai interromper a carreira.

E do "Jornal da Record":

   Arrastão em condomínio de luxo em São Paulo. Recém-lançado, prédio ainda não tinha sistema de segurança completo.
   Fazendeiro acusado de ser mandante da morte de religiosa americana é preso sem resistência no Pará.
   Um crime contra a dignidade humana. Coveiros vendem ossos no Rio de Janeiro.
   Lula cobra dos ministros mais agilidade e menos burocracia no PAC.
   A Terra treme pela terceira vez na Itália. Número de mortos já passa de 280.
   Sequestro no mar. Navio de guerra americano chega ao local onde piratas somalis mantêm comandante refém.
   Irã anuncia que já pode enriquecer urânio e diz que é para produzir energia elétrica, mas potências do Ocidente temem bomba atômica.
   Bebida e volante, dose fatal. Caminhoneiros confessam que tomam estimulantes com álcool.

Escrito por Nelson de Sá às 23h30

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pax Obama

Barack Obama defendeu "um mundo sem armas nucleares", o que foi recebido com descrédito, ironia e até revolta, na cobertura.

Mas não pela nova "Economist", que publica a capa ao lado, com suas palavras, mais o editorial em que avalia que "um mundo livre de armas nucleares talvez nunca venha a acontecer, mas pode haver segurança na tentativa" simples de alcançá-lo. Na busca.

 

 

A resistência do "complexo industrial-militar" começou um mês antes, com o vice de George W. Bush, Dick Cheney, reaparecendo na CNN para afirmar que Obama põe em risco a segurança dos EUA.

Explica-se agora: o novo orçamento militar foi apresentado pelo secretário de Defesa, Robert Gates, e noticiado como um forte "corte". Não é, destacam o TPM de Joshua Marshall e o "Daily Show" de Jon Stewart, ambos apontando interesses na cobertura. O orçamento saltou 4%, mas certas encomendas de armamentos foram suspensas.

The Daily Show With Jon StewartM - Th 11p / 10c
Full Metal Budget
thedailyshow.com
Daily Show
Full Episodes
Economic CrisisPolitical Humor

Escrito por Nelson de Sá às 11h16

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Político sem TV?

Elvira Lobato e Andreza Matais informam que a Comissão de Constituição e Justiça do Senado vetou, anteontem, que deputados e senadores tenham emissoras de rádio e TV. Em suma, o texto do senador Pedro Simon "proíbe novas concessões e rejeita a renovação das existentes".

Mas agora vai a votação no plenário, onde "pelo menos" 17 senadores ganharam e exploram concessões. E já ontem:

_ A medida provocou discussão na comissão. O presidente da CCJ, Demóstenes Torres (DEM-GO), foi cobrado por ACM Jr. (DEM-BA), acionista da TV Bahia, afiliada da Globo, que reclamou por ter colocado em votação com poucos presentes. Vários políticos importantes do Senado têm emissoras, como Tasso Jereissati (PSDB-CE), Roseana Sarney (PMDB-MA), da TV Mirante, afiliada da Globo, Fernando Collor (PTB-AL), da TV Gazeta, afiliada da Globo, e José Agripino Maia, líder do DEM.

Escrito por Nelson de Sá às 10h22

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Pouco foi falado

Do site Tela Viva, sobre a apresentação pela Rede Globo da programação de 2009 para a imprensa:

_ Pouco foi falado sobre a concorrência com outras redes, em contraposição ao ano passado, quando a Globo fez questão de apresentar dados que mostravam audiência superior. O diretor Octavio Florisbal mencionou que continua na luta para ter os direitos da Olimpíada 2016, mesmo tendo perdido 2012. Sobre a audiência, disse que a meta é chegar ao patamar de 22 pontos. "Em 2008, nossa média caiu para 19 pontos. Nossa proposta é voltar aos 22. Acredito que vamos evoluir para 20 ou 21 pontos."

Como indicado pelo presidente Roberto Irineu Marinho há duas semanas, o foco agora vai para "programas pensados não apenas para a TV, mas também para internet e celular".

No destaque da coluna Outro Canal, de Daniel Castro, hoje na Folha, "Globo vai à web para resgatar telespectadores".

Mais natural - Ainda sobre a nova programação da Globo, Outro Canal informa que "o jornalismo promete renovação", com uma "linguagem mais natural" e "mais entradas ao vivo".

Sem fôlego - A coluna Canal 1 informa que o "CQC", programa de humor com jornalismo, "perdeu fôlego nas noites de segunda e o SBT, mesmo sem grandes investimentos, já encostou na Band na faixa de confronto".

Escrito por Nelson de Sá às 09h54

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O que ele vê

O site Politico levantou o que o presidente americano prioriza na televisão, na Casa Branca. Ele gosta de séries da HBO, como "Entourage", sobre o cotidiano de um ator, e "The Wire". Com as duas filhas, vê "Hannah Montana" e "Bob Esponja". E muita ESPN, com "Sportscenter" e as transmissões de basquete da NBA e da NCAA.

E Jon Stewart, do "Daily Show". Canais de notícia, não.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h40

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Problemas no Afeganistão, Somália, Kuwait

 

Para edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). E capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 08h31

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Juro alto e "o mercado"

Para edições e capas, Folha, "Estado", "Super Notícia", "Meia Hora" e "Valor". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Valor", "Estado" e "Globo" também no PressDisplay (por país, à esq.). E capas de Folha, "Estado", "Globo" e "Super Notícia" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Estadao.com.br, Globo Online, O Tempo Online ("SN"), O Dia Online ("MH") e Valor Online.

Escrito por Nelson de Sá às 08h15

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Macho" o bastante

Escrito por Nelson de Sá às 22h10

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Neoliberalismo, o espasmo

Escalada de manchetes do "Jornal Nacional":

   Decisão técnica ou política? Presidente Lula diz que baixar juros é uma obsessão dele. Depois o governo muda o comando do Banco do Brasil e ações do banco despencam.
   Itália. Mulher de 98 anos é resgatada dois dias depois do terremoto.
   No Rio, um homem de 92 anos se destaca em uma competição de atletismo.
   O delegado Protógenes vai à CPI e nega ter investigado o filho do presidente e a ministra Dilma.
   Na série sobre a Amazônia, consequências da ocupação desordenada nas margens da BR-163.

E do "Jornal da Record":

   Para evitar recordes de acidentes, a polícia de Minas vai usar radares móveis no feriadão.
   Cai o presidente do Banco do Brasil.
   Governo estuda novas medidas para aquecer a economia.
   Pesquisa alerta: Com a crise, desigualdade social pode voltar a crescer no Brasil.
   Inflação oficial baixa ao menor nível desde 2007.
   A memória do genocídio. Ruanda lembra os 800 mil mortos da guerra entre tutsis e hutus.
   Cruz Vermelha denuncia o uso de médicos em torturas da CIA. Objetivo era impedir que os investigados morressem.
   Na Itália, Berlusconi visita os escombros do terremoto e diz que barracas de desabrigados parecem acampamento de fim de semana. Depois premiê recua e consola uma das vítimas.
   Na reportagem especial, a prova dos goles. Rapaz e moça bebem, derrubam cones e não passam no teste do bafômetro.
   Delegado do Paraná faz acordo com os presos. Quem promete não fugir pode dormir fora da cela superlotada.

Escrito por Nelson de Sá às 22h06

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Google, "um amigo dos jornais"

Já estão no ar vídeo, áudio e transcrição do presidente do Google, Eric Schmidt, na convenção da Newspaper Association of American, a associação de jornais americanos, ontem. Ele evitou confronto com a AP, cujo presidente havia lançado ataque aberto ao Google.

No enunciado do "NYT", "Google insiste que é um amigo dos jornais". Apesar do "coro crescente na indústria, os publishers deixaram-no escapar do anzol" e só abordaram superficialmente o uso de suas notícias pelo Google News, sem questionar "quem vai ficar com o dinheiro da audiência gerada: Google ou os publishers".

No "WSJ", "Schmidt descreve o futuro da mídia, guiada por publicidade". Mídia que vai distribuir conteúdo de fontes como jornais, "mas o principal serão coisas geradas por usuários, como informação de referência tipo Wikipedia e notícias de última hora tipo Twitter".

No "Los Angeles Times", "Schmidt aos jornais: inovem para sair dessa". Em suma, "os jornais terão que se acostumar à ideia de que não são apenas geradores de conteúdo confiável, profissional, mas também agregadores dos novos tipos de informação que a web viabilizou", em sites editados coletivamente, blogs, vídeos.

O blog de Jim Romenesko ressalta a passagem em que ele diz:

_ É óbvio para mim que a maior parte da circulação de um jornal deveria ser on-line, não impressa. Deveria ser cinco, dez vezes maior, porque não há custo de distribuição. Eu começaria com: "Como é que nós vamos conseguir dez vezes mais leitores on-line? O que eles querem ver? Qual é seu estilo?" Meu próprio viés, aliás, é tecnológico: eu acho que os sites são muito lentos. Eles literalmente não são rápidos. São até mais lentos do que ler o jornal, o que pode ser enfrentado em bases técnicas.

Escrito por Nelson de Sá às 10h41

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Crise como campanha

Da coluna de Monica Bergamo, na nota "No Ar":

_ O PT está finalizando o programa que levará ao ar em maio. Dilma é uma das estrelas do roteiro, que versará sobre "como o governo enfrenta a crise". Outros ministros vão dar explicações, além de Lula.

Sob pressão - Flávio Ricco informa que "os 'pjs', pessoas jurídicas, na Globo devem todos virar 'CLT', há pressão forte do governo". A direção busca "uma solução urgente para os maiores salários".

Mais clone - José Armando Vannucci informa que a Record lança "em breve" um programa para concorrer com o global "Esporte Espetacular", domingo. Com "vários esportes, principalmente modalidades olímpicas".

Escrito por Nelson de Sá às 09h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ali Kamel & Diogo Mainardi vs. Franklin Martins

O "Jornal Nacional" de ontem destacou o colunista Diogo Mainardi, da "Veja", que veiculou denúncia contra o ministro Franklin Martins por episódio envolvendo seu irmão Victor Martins e a distribuição de royalties de petróleo. Até três anos atrás, o ministro era o comentarista de política do "JN".

 

O "JN" volta a atacar Franklin, mas evita a todo custo os jatinhos de Tasso Jereissati. Já o UOL de Fernando Rodrigues não deixa sufocar a notícia e destacou vídeo sarcástico sobre a prática do senador, ontem no alto da home page.

 

 

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 09h05

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama e seus soldados

 

Para edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). E capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 08h51

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Demissão por juro alto

Para edições e capas, Folha, "Estado", "Super Notícia", "Meia Hora" e "Valor". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Valor", "Estado" e "Globo" também no PressDisplay (por país, à esq.). E capas de Folha, "Estado", "Globo" e "Super Notícia" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Estadao.com.br, Globo Online, O Tempo Online ("SN"), O Dia Online ("MH") e Valor Online.

Escrito por Nelson de Sá às 08h33

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Surpresa!

Escrito por Nelson de Sá às 22h44

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Mais terremoto

Escalada de manchetes do "Jornal Nacional":

   A Itália conta mais de 230 mortos. O terremoto desabriga milhares de famílias e a terra volta a tremer com força no início da noite de terça-feira.
   A Justiça do Pará anula os julgamentos dos acusados do assassinato da missionária Dorothy Stang.
   O Estado de São Paulo proíbe o fumo em qualquer ambiente fechado.
   A Câmara recua em medidas moralizadoras que tinha anunciado. Em meio a denúncias, o Senado dificulta a divulgação de informações internas.
   Nos Estados Unidos, o brasileiro morto com mais 12 vítimas de um atirador é visto como herói.
   O ex-presidente peruano Alberto Fujimori é condenado a mais 25 anos de cadeia.
   Surpresa no Iraque. O presidente Barack Obama faz uma visita aos soldados americanos.
   Na série especial de reportagens sobre a Amazônia, as desigualdades na educação de quem vive às margens da BR-163.
   McLaren demite o diretor que orientou Lewis Hamilton a mentir.

E do "Jornal da Record":

   Na hora de fazer o Imposto de Renda, cuidado com quem promete turbinar a sua devolução. Desmontada quadrilha que deu golpes de R$ 10 milhões na Receita.
   Marcas da maldade. Adolescente agredida por estilete na escola levou mais de 20 pontos.
   Justiça anula julgamento que libertou acusado de mandar matar religiosa americana no Pará.
   Carro apreendido em São Paulo tinha um morto no porta-malas e os policiais só perceberam três dias depois.
   A terra volta a tremer na Itália. Número de mortos passa de 200.
   Em visita surpresa ao Iraque, Obama diz que já é hora de passar o governo do país aos iraquianos.
   O testamento do assassino. Carta mostra tormento do vietnamita que matou professor brasileiro nos Estados Unidos.
   Na reportagem especial, o jeitinho criativo de jovens cariocas para beber sem ferir a Lei Seca.
   Greenpeace protesta contra a ativação da usina nuclear Angra 3.

Escrito por Nelson de Sá às 22h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

AP vs. Google

No enunciado da própria Associated Press, postado pelo próprio Google, "AP prepara novo esforço para combater a pirataria de notícias on-line".

Junto com "a indústria de jornais", até por ser cooperativa de 1.400 jornais americanos, a agência promete um "esforço agressivo para localizar violadores de copyright na internet e tentar desviar o tráfego de sites que não licenciem conteúdo apropriamente".

A exemplo de Rupert Murdoch dias antes, "executivos da AP" citam como seus maiores alvos, segundo o "New York Times", os sites de busca Google News e Yahoo News e agregadores como Drudge Report.

O porta-voz do Google comentou que "ferramentas de busca beneficiam os jornais, dirigindo tráfego aos sites e conectando-os com novos leitores ao redor do mundo". E que linkar não é violar copyright.

Sem jornal - AP e sites de mídia noticiam que a Sociedade Americana de Editores de Jornais "votou para ficar sem jornal", mudando de nome para Sociedade Americana de Editores de Notícias. A organização de 87 anos, que já havia cancelado sua convenção anual, passa a aceitar também como sócios os editores de sites.

No mercado - A "Forbes" informa que, apesar de 7.500 jornalistas americanos já terem perdido emprego este ano, somando-se aos 5.000 do ano passado, as escolas de jornalismo do país vivem um "boom". Os pedidos de ingresso explodiram nas universidades Columbia (38% a mais, em relação a 2007), Maryland (25%) e Stanford (20%).

Escrito por Nelson de Sá às 11h29

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A regionalização da verba

Na manchete do "Meio & Mensagem" de papel, "Governo federal investe quase R$ 2 bilhões em comunicação". Foi o gasto com publicidade em 2008, "o mesmo do ano anterior, R$ 1,027 bilhão", mais os patrocínios. No total, R$ 1,894 bilhão.

_ Entre os veículos, a TV manteve 62,4%, R$ 641 milhões. Em seguida ficou o meio jornal, com R$ 134,6 milhões, 13,1% _e aumento de 10,3% em relação ao anterior. A Secretaria de Comunicação destaca que o meio jornal ganhou mais investimentos em função da política de regionalizar, contemplando títulos pelo país. Outros meios que aumentaram participação foram internet, R$ 27 milhões, alta de 13%, e outdoor, R$ 5 milhões e o maior aumento, 49%. A queda mais significativa ficou com o meio revista, R$ 81,1 milhões, 11,9% a menos do que em 2007.

A Folha noticiou dias antes que "é verdadeira a impressão que muitos brasileiros têm sobre o aumento de logotipos de estatais e governo federal em filmes e eventos". Lula "quase duplicou os investimentos", de R$ 555 milhões em 2003 para R$ 1,086 bilhão em 2006, quando foi reeleito, passando a R$ 918,4 milhões em 2008. E aqui também:

_ Está em curso uma descentralização dos patrocínios. Desde 2006, o Sudeste sofreu queda no bolo: de 50,4% para 37,4% em 2008. Não houve benefício de região específica, mas um avanço "nacional", quando a ação atinge todo o país: 17,2% para 31,6%.

Escrito por Nelson de Sá às 10h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sequência de ataques

Em "Universal usa Record para novo ataque à Folha", hoje no jornal:

_ A Rede Record, que pertence ao bispo Edir Macedo, dono da Igreja Universal do Reino de Deus, veiculou no domingo à noite no programa "Domingo Espectacular" mais uma sequência de ataques à Folha... A emissora alega que as agressões são resposta a notícias divulgadas pela coluna "Outro Canal", publicada pela Ilustrada. Escrita por Daniel Castro, a coluna tem como foco os bastidores da TV... Antes de tentar intimidar o jornalista da Folha, a Record quis contratá-lo. No início de fevereiro, por meio de seu vice-presidente comercial, Walter Zagari, a emissora ofereceu ao colunista o cargo de gerente de comunicação, que foi recusado.

Dilma guerrilheira - O blog de Paulo Henrique Amorim e outros postam carta de Antonio Roberto Espinosa, divulgada originalmente na lista de e-mail Os Amigos de 68, questionando a reportagem "Grupo de Dilma planejava sequestrar Delfim", da Folha de domingo, em que Espinosa é uma das fontes. A íntegra, aqui.

"Finalmente" - Segundo o blog Radar, a novela "Caminho das Índias" alcançou ontem 40 pontos, de acordo com prévia do Ibope para a Grande São Paulo. "A marca levou 61 capítulos para ser atingida. 'A Favorita' chegou aos 40 no 16º capítulo." E era véspera do fim de "Big Brother", que entra logo depois da novela.

Reprise nova - O Canal 1 esperou até tarde da noite para confirmar se o SBT transmitiria "Ana Raio", uma das novelas que comprou da extinta Manchete. Não, "Silvio Santos supreendeu mais uma vez e inicou a reprise de 'Dona Beija', imagem sem nenhuma qualidade". E com "início pífio", quatro pontos, segundo o Radar.

Escrito por Nelson de Sá às 09h14

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

A popularidade do Brasil

No topo das buscas de Brasil no Google News, ontem ao longo do dia, com "Wall Street Journal", Reuters e outros, o salto de 36,2% nas vendas de veículos em março, "graças à isenção fiscal do governo".

No "Financial Times", ontem também, "Investidores mantêm fé nos mercados emergentes", segundo novo levantamento. "O Brasil está crescendo em popularidade, com mais de um quarto dos investidores prevendo começar a investir ou aumentar sua exposição no país. China e Índia foram avaliados como os outros dois mercados mais atraentes."

Por outro lado, no topo das buscas no Yahoo News, com Bloomberg, "PIB do Brasil pode encolher pela primeira vez em 17 anos", segundo pesquisa do Banco Central com economistas brasileiros.

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 08h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Obama encara o lobby industrial militar

Para edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). E capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 08h34

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Lula, Aécio e Dilma, "supernotícia"

Para edições e capas, Folha, "Estado", "Super Notícia", "Meia Hora" e "Valor". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Valor", "Estado" e "Globo" também no PressDisplay (por país, à esq.). E capas de Folha, "Estado", "Globo" e "Super Notícia" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Estadao.com.br, Globo Online, O Tempo Online ("SN"), O Dia Online ("MH") e Valor Online.

Escrito por Nelson de Sá às 08h21

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Eu sou um deles"

Escrito por Nelson de Sá às 21h31

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O terremoto

Escalada de manchetes do "Jornal Nacional":

   Terremoto de madrugada. E a Itália amanhece em lágrimas. Os tremores no centro do país deixam mais de 150 mortos nos escombros. A população se revolta com uma notícia: Um geólogo tinha previsto o desastre e foi ignorado.
   A chacina de Nova York revela a história do menino pobre de Pernambuco que virou doutor em matemática.
   O mundo discute o que fazer depois do lançamento do foguete norte-coreano.
   O Ministério da Educação afirma que formato do Enem vai mudar ainda este ano.
   Uma aventura na Amazônia. Nossos repórteres apresentam o Brasil cortado pela BR-163.
   A polícia prende 200 pessoas num único dia no Distrito Federal.
   Como virar laranja. Veja por que é tão perigoso perder um documento de identidade.
   A tecnologia dos campeões. Como o São Paulo repõe as perdas com o suor dos jogadores.

E do "Jornal da Record":

   O terremoto de L'Aquila. Trinta segundos e a cidade italiana veio abaixo. Total de mortos pode chegar a 150 e desabrigados já são 100 mil.
   Sinal de paz. Na Turquia, fronteira do Ocidente com o Oriente, Obama nega guerra ao islã.
   Mudança na lei do aborto abre confronto entre Igreja Católica e governo na Espanha.
   Tensão no espaço. Coréia do Norte comemora lançamento e diz que foguete levava satélite. Americanos e russos contestam.
   Lista de Schindler é encontrada na Austrália entre recortes de jornais.
   Bebida e volante, dose fatal. Série de reportagens mostra que, sem fiscalização, a Lei Seca não pegou.

Escrito por Nelson de Sá às 21h22

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O fim da censura americana

Depois de 18 anos de censura governamental, enfim encerrada, o único grande jornal americano a destacar o retorno do corpo de um soldado americano morto em combate é o "Washington Post", hoje na capa, com foto de Nikki Kahn. É o corpo de Phillip Myers, que morreu aos 30 anos atingido por "explosivo improvisado" no dia 4, no Afeganistão.

O veto foi estabelecido pelo presidente George Bush na Guerra do Golfo, mantido por seu filho e por Bill Clinton, e só derrubado por Barack Obama.

Vida pós-jornal - Michael Kinsley, criador da Slate, escreve na coluna "A vida depois dos jornais", hoje no "WP": "Você vai poder obter suas notícias corretamente, sem a neblina ideológica dos blogs? Sim, por que não, se há consumidores para tais coisas". Em suma, "se o 'New York Times' desaparecer, ainda haverá notícias".

De uns para outros - O editor de Rupert Murdoch no "Wall Street Journal", Robert Thomson, fala a outro jornal de Murdoch, "Australian", sob o título "Renascente 'WSJ' acelera enquanto crise rasga rivais". O blog Romenesko ressalta que uma razão para a maior circulação, segundo Thomson, é que "jornais em Los Angeles, Detroit estão diminuindo".

Escrito por Nelson de Sá às 11h36

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

TV, Igreja e foro privilegiado

Lauro Jardim noticia que o DEM foi informado pela TV e Igreja Renascer que seu deputado federal por São Paulo, o bispo Gê, não vai concorrer à reeleição, no ano que vem.

A Renascer deve lançar Sonia Hernandes. Sua pena acaba em agosto, nos EUA, e ela deve voltar. Como é acusada pelo Ministério Público "por crimes de estelionato, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, o foro privilegiado viria bem a calhar", em Brasília.

Mais do DEM e da "Veja". Seu único governador, do Distrito Federal, dispensou o marqueteiro Paulo Vasconcellos, "que se consagrara com as duas campanhas vitoriosas de Aécio Neves ao governo mineiro", e contratou Luiz González, "responsável pelas campanhas vitoriosas de José Serra à prefeitura e ao governo" em São Paulo.

Sem dinheiro - Flávio Ricco informa que, "apesar de todo o barulho em cima, a Record ainda não tem nada vendido" em patrocínio para o reality show "The Farm Brazil", que estréia no mês que vem. Vem "batendo medo em setores da emissora" do bispo Edir Macedo.

Sem caminho - Por outro lado, Ricco nota que "dentro da Globo já tem gente olhando com desconfiança para 'Caminho das Índias', sem entender onde a novela pretende chegar".

Escrito por Nelson de Sá às 10h46

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Agora, banqueiros

Nas manchetes on-line do "Wall Street Journal" e do "Financial Times", ontem, nada de míssil coreano. O secretário do Tesouro afirmou, à CBS, que os "Banqueiros podem ser removidos", no enunciado do primeiro, e que os "EUA estão prontos para tirar banqueiros", do segundo. Foi após pergunta sobre seu suposto esforço, noticiado no "Washington Post", para salvar os altos salários dos banqueiros.

Já o site Politico detalhou como foi a reunião de Obama, antes de viajar à Europa, com "os banqueiros" de JPMorgan, Bank of America e demais, inclusive associação de bancos. Diz que "o tom não foi cordial" como disseram à saída. E que "o presidente não estava com humor para ouvir as explicações para os altos salários de si mesmos".

Frank Rich, na coluna "C.E.O. guillotine", destaque na home e na edição do "New York Times", escreveu sobre a queda de Rick Wagoner, presidente da GM -e sobre as críticas ao tratamento diferenciado dado aos banqueiros, que seguem em seus cargos. Lembrando que Wagoner levou US$ 23 milhões ao sair, diz que a "mudança" de Obama tem que ir muito além do prazer de cortar cabeças em guilhotinas luxuosas, como na ilustração criada por Barry Blitt (esq.).

 

 

 

Leia aqui a íntegra da coluna "Toda Mídia" de hoje.

Escrito por Nelson de Sá às 09h21

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

À exceção do "China Daily"

 

Para edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). E capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 09h00

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Futebol (e Coreia do Norte)

 

Para edições e capas, Folha, "Estado", "Super Notícia", "Meia Hora" e "Valor". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Valor", "Estado" e "Globo" também no PressDisplay (por país, à esq.). E capas de Folha, "Estado", "Globo" e "Super Notícia" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Estadao.com.br, Globo Online, O Tempo Online ("SN"), O Dia Online ("MH") e Valor Online.

Escrito por Nelson de Sá às 08h55

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Globos vs. ação afirmativa de negros

 

 

Para as edições e capas, Veja, CartaCapital, Época e IstoÉ.

Escrito por Nelson de Sá às 11h56

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

"Desafiando o mundo", o míssil coreano

Para edições e capas, "NYT", "WSJ", "WP", "FT" e "China Daily". "WP" e "China Daily" também no PressDisplay (lista por país, à esq.). E capas de "NYT", "WSJ" e "WP" também no Newseum (por Estado, à esq.).

Para os sites, NYT, WSJ, WP, FT e China Daily.

Escrito por Nelson de Sá às 11h54

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dilma, "guerrilheira"

Para edições e capas, Folha, "Estado", "Super Notícia" e "Meia Hora". Com acesso restrito, "Globo". Folha, "Estado" e "Globo" também no PressDisplay (por país, à esq.). E capas de Folha, "Estado", "Globo" e "Super Notícia" também no Newseum (por país, à esq.).

Para os sites, Folha Online, Estadao.com.br, Globo Online, O Tempo Online ("SN") e O Dia Online ("MH").

Escrito por Nelson de Sá às 11h50

Comente | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores
Blog da coluna "Toda Mídia" (assinantes Folha e UOL), de segunda a sexta, pela manhã, escrito pelo jornalista Nelson de Sá.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.